A Inteligência Artificial é um campo da tecnologia que está cada vez mais presente dentro da sociedade, sendo até mesmo em pequenas áreas como o uso de assistentes virtuais, até em grandes ações como o procedimento de montagem automobilística.

Também chamada de IA, a inteligência artificial é um agrupamento de várias tecnologias em um só local, funcionando como uma rede de neurônios que são similares ao dos seres humanos. 

Essa rede neural pode ser constituída de algoritmos e sistemas de aprendizado que são capazes de proporcionar às máquinas a capacidade de simular as ações e decisões que os seres humanos costumam tomar em determinadas situações.

Contando com um raciocínio e a percepção do ambiente que atua, a inteligência artificial pode aprender de forma quase autônoma sobre os dados que lhe são inseridos, fazendo com que os sistemas de aprendizado resultem em ampliações do conhecimento.

Por exemplo, ao ter os dados inseridos sobre a maneira que deve funcionar, as ações de um braço robótico para indústria serão semelhantes ao de um humano quando for realizar a tarefa, podendo até mesmo fazer em um formato mais aprimorado.

Essa automatização está relacionada à aprendizagem de máquina, ou Machine Learning, que pode ter o reconhecimento de voz ou campo de visão para realizar suas tarefas de uma forma mais tecnológica.

Como surgiu a inteligência artificial?

Sendo aprimorada ao longo dos anos para realizar funções como o monitoramento eletrônico residencial, o início da inteligência artificial como conhecemos nos dias de hoje surgiu por volta dos anos 1920.

Ainda que de forma remota, neste período surgiram os primeiros indícios de que práticas modernas iriam ser cada vez mais introduzidas na sociedade ao longo dos próximos anos, especialmente com alguns filmes da época que demonstravam androides no futuro.

Nos anos 40, Warren McCulloch e Walter Pitts publicaram um artigo falando sobre as redes neurais científicas que tinham a tendência de serem feitas partindo de modelos matemáticos que seriam iguais a um sistema nervoso humano.

Por volta de 1950, Claude Shannon apresentou um trabalho sobre como programar uma máquina para jogar uma partida de xadrez, usando a matemática para os cálculos de posições simples dentro do jogo.

Posteriormente, naquele mesmo ano, Alan Turing criou uma fórmula que faria um equipamento se passar por um humano, em uma interação de escrita que acabou sendo reconhecida como o teste de Turing.

A década de 50 se mostrou como um marco para o ramo da inteligência artificial. Isso porque em 1951, uma calculadora de operações matemáticas que imitava sinapses foi inventada por Marvin Minsky.

No ano seguinte, Arthur Samuel desenvolveu um jogo de damas em um computador científico comercial que otimizava-se por conta própria.

Contudo, a prática da inteligência artificial como se conhece na atualidade começou por volta do ano de 1956, quando o professor da Universidade de Dartmouth em Hanover, nos Estados Unidos, John McCarthy uniu um grupo de verão para ensinar sobre as máquinas.

Esse grupo de cientistas estudaram formas para fazerem as máquinas aprenderem com aspectos de inteligência humana e outras características, de modo que, aos poucos, elas pudessem se aperfeiçoar por conta própria e resolvessem problemas.

Da mesma forma que hoje um sistema de refrigeração comercial pode ser capaz de detectar os problemas e fazer atualizações sem interferência humana.

Nos anos 60, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) foi o ambiente do desenvolvimento do primeiro chatbot feito por Joseph Weizenbaum, que foi batizado como Eliza, atuando de forma semelhante a uma psicoterapeuta.

Já na década de 70, a faculdade de Stanford, na Califórnia, desenvolveu um programa que interpretava as análises químicas.

Nos anos 90, com a tecnologia mais avançada do que as décadas anteriores, uma competição entre o computador da IBM e o campeão mundial de xadrez da época, Garry Kasparov, foi realizada e acabou derrotando-o.

Com o avanço dos anos e a tecnologia sendo cada vez mais aprimorada, novas formas de inteligência artificial foram surgindo, como em 2012, quando pesquisadores de um estudo acadêmico desenvolveram o deep learning.

Esse formato faz com que a fala de uma IA e a imagem fiquem mais precisos dentro do sistema, facilitando os procedimentos que podem ser feitos com ela.

Quais são os tipos de inteligência artificial?

Podendo ser divididas em três, as inteligências artificiais são caracterizadas como ANI, ASI e AGI.

O formato ANI é conhecido como Inteligência Artificial Limita, porque sua armazenagem está destinada a uma grande quantidade de dados e a realização de tarefas de forma que o objetivo final é alcançado conforme sua programação.

Por isso, é utilizado para calcular cálculos mais complexos que devem ser finalizados no fim da conta, não expandindo para nada além disso.

O modelo ASI, ou Superinteligência, é um modelo que está sendo cada vez mais estudado e aprimorado por conta da sua característica de ser maior que a inteligência humana, podendo tomar decisões por conta própria e armazenar dados.

Um dos pontos do modelo ASI é a realização de tarefas que nem mesmo os humanos podem resolver, o que acaba deixando seu poder superior ao dos outros modelos de inteligência artificial.

O formato AGI acaba sendo o que é conhecido como aprendizado de máquina, ou Machine Learning, executando as tarefas iguais às que os humanos realizam por compreender e reagir a determinados estímulos.

Não estando em um nível comparado à inteligência humana, o formato AGI é adotado para tarefas das quais precisam se estar próximas ao que um ser humano pensaria.

Como funciona e suas aplicações no cotidiano

Podendo se divergir dentre as áreas que for usada, a inteligência artificial pode ser desde a robótica, com a simulação de movimentos humanos para fabricar um remédio manipulado para espinhas, até mesmo para se produzir e controlar estoques, por exemplo.

No ramo da computação, a IA é utilizada para dispositivos e programas, que transformam a comunicação que o ser humano deseja em um modo mais assertivo e compreensivo.

A inteligência artificial também é utilizada no campo profissional e de lazer dos games, sendo uma das principais tecnologias que estão presentes nesta indústria, especialmente porque podem constituir diferentes níveis e oponentes para o jogador.

Além disso, a inteligência artificial pode ser encontrada em vários locais e áreas, sendo algumas:

  • Assistentes virtuais de atendimento ao cliente;
  • Transporte;
  • Medicina;
  • Entretenimento;
  • Segurança;
  • Mercado de trabalho.

A medicina acaba proporcionando que desde algumas operações e procedimentos médicos, até uma cama hospitalar automatizada, possam contar com a tecnologia de uma inteligência artificial.

A automatização de processos no mercado de trabalho colabora para que essa tecnologia seja cada vez mais utilizada no dia a dia e venha a ser uma base para todos os formatos de empresa, seja até mesmo as iniciantes ou as multinacionais.

A atuação da IA no futuro

Com a tecnologia presente no dia a dia de pessoas e empresas desde a fabricação de uma letra caixa retroiluminada, é cada vez mais comum notar que as máquinas estão automatizando processos que anteriormente eram feitos por humanos.

Com isso, a preocupação de que o mercado de trabalho abrirá oportunidades para máquinas e processos tecnológicos ao invés de humanos é ainda maior, e aos poucos, vai ganhando ainda mais preocupação.

Por isso, estudiosos da área determinam que as máquinas e os processos de inteligência artificial terão a tendência de ocupar as etapas que são repetitivas, e proporcionar para as empresas a entrega de um trabalho mais ágil.

Por exemplo, uma entrega de farmacia 24 horas pode ser transformada em algo mais ágil com a inteligência artificial buscando e separando o produto, deixando a entrega apenas para o formato tradicional.

O formato de IA acabará não ocupando as atividades que necessitam da criatividade humana para serem realizadas, bem como os julgamentos críticos e até mesmo a empatia, visto que esses não podem ser ensinados ou programados.

A tendência de empregos que serão metade feita por humanos e metade por máquinas também tende a crescer, fazendo com que a robótica e a humanidade saibam coexistir em conjunto para garantirem o sucesso de algo.

Considerações finais

A inteligência artificial permitiu que houvesse um avanço em quase todas as áreas dentro da sociedade, desde o lazer, com jogos de computador, até mesmo no mercado de trabalho ou em procedimentos médicos.

Sendo criada no século anterior e melhorada ao longo dos anos, a inteligência artificial ou IA, como é popularmente conhecida, passou de procedimentos de operações matemáticas para a realização de grandes operações médicas ou de transformações na sociedade.

Embora possa auxiliar e automatizar boa parte dos processos, que anteriormente eram feitos por humanos, a inteligência artificial ainda requer a introdução de dados antes que possa compreender como funciona o procedimento de harmonização facial papada.

Portanto, deve-se compreender qual o tipo de inteligência artificial que deve ser enquadrada para cada situação e através dela poder progredir e aproveitar a tecnologia de uma forma benéfica.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.